NASCIMENTO PECULIAR
06.04.1909

Começava a amanhecer numa preciosa manhã 6 de abril de l909, no montanhoso campo de Kentucky, não muito distante do lugar  onde nasceu Abraão Lincoln cem anos atrás. Os raios do sol  já haviam começado a penetrar pelas janelas da humilde cabana, muito pobre por certo, quando derrepente se ouviu a voz de um bebê que acabava de nascer. Os passarinhos já haviam começado seu melodioso e costumeiro cântico muito peculiar do campo.

Pareceu ao Pai do pequeno que a estrela da Manhã havia brilhado com mais intensidade que em nenhuma outra manhã. O Pequenino chorava e chorava enquanto pequenas mãozinhas roçavam o rosto de sua mãe de quinze anos. De pé ao lado da cama estava seu pai de dezoito anos, vestido com umas calças típicas das pessoas do campo e suas mangas enroladas até os cotovelos.

"O Chamaremos WILLIAM", disse o Pai enquanto inclinava a beijar ao menino ". Bem, disse a mãe, porque não o chamaremos de Billy ". Longe estava dessa mãe pensar que essas pequenas mãos que tocavam em seu rosto, um dia seriam usadas pelo Todo Poderoso para trazer liberdade a Seu Povo da Escravidão e da enfermidade.

Quem ia imaginar que este menino nascido na Montanha, um dia levaria a Mensagem do Evangelho ao redor do mundo inteiro; que iria a casa de Reis e grandes magistrados oferecer a oração de Fé pelo o enfermo e aflito? De todas as famílias daquele lugar, a Família Branham era a mais Pobre. Sem dúvida que os caminhos do Senhor são inescrutáveis; como haveriam crido se alguém houvesse dito que Deus através deste menino algum dia faria com que os demônios fossem repreendidos, que o Cego visse, que o Mudo falasse, que o Surdo ouvisse, que os cancerosos fossem curados, e que milhares de milhares caíssem sobre seus joelhos pedindo misericórdia com lágrimas de arrependimento? Tão pouco haveria crido como aviões voariam de continente a continente a tão grande velocidade para trazer enfermos a sua presença tal como trens e automóveis trariam centenas de enfermos a receberem a singela oração de Fé deste Servo de Deus e serem libertados de toda classe de enfermidades.

Como do Sul e do Norte, do leste e oeste viriam a ouvir a simples história de Jesus, pregada em forma tão peculiar, e com demonstração do Espírito e Poder.

À medida que se acercavam os visinhos para verem ao menino, dizem eles que no quarto onde estava o menino, havia uma estranha sensação que todos podiam perceber. Quem pode duvidar que esta estranha sensação que eles sentiram fosse produzida pela presença do Anjo que tem acompanhado ao Irmão Branham toda a sua vida e que mais adiante haveria de lhe aparecer em pessoa para falar com ele face a face?

Acontecimento no Primeiro dia de Vida

O primeiro dia de sua vida, algo muito estranho sucedeu. Depois que a parteira o havia banhado, o colocou ao lado de sua mãe e foi abrir a janela. A janela não tinha vidro e o ar e a luz só eram controlados abrindo e fechando a janela. O sol havia começado a aparecer sobre o campo e uns pequenos raios de luz havia penetrado no quarto. Juntos com estes raios de luz veio também um Halo de luz muito brilhante em forma circular como aproximadamente um pé de diâmetro e pousou sobre a cama onde estavam a mãe e o menino.

Este é o mesmo Halo de Luz que tem sido visto por milhares de pessoas, e sem dúvida alguma é também o mesmo que apareceu na famosa Fotografia tomada em Houton, Texas, durante a campanha celebrada em Janeiro de 1950.

Quando a parteira e os pais se deram conta deste fenômeno, começaram a chorar; tinham medo, não sabendo o que significava. Não foi senão muitos anos mais tarde que estas pessoas que viram este Halo sobre o menino, puderam compreender que Deus tinha sua mão posta sobre este Homem para um grande ministério que haveria de trazer ao mundo.

A Família Branham não era religiosa nem prestava atenção a nada que tivesse a ver com a religião. Seu Avô era católico e a seu Pai e a sua mãe não interessava o Cristianismo.. Porém pelo que havia acontecido no dia de seu Nascimento, sua mãe o Levou a uma Igreja Batista vizinha. Esta foi sua primeira visita a uma Igreja e também a último por muitos anos.

O Pai do pequeno era lenhador e tinha que passar muito tempo separado de sua família, especialmente no outono e no inverno, devido a que lhe era impossível viajar freqüentemente por motivo de muita neve e mau tempo. Quando isto sucedia, a mãe e o menino ficavam sós.

Foi numa destas ocasiões que Kentucky experimentou uma das piores tormentas de neve. Pareceu como se os acontecimentos houvessem conspirado contra a vida destas duas criaturas. O menino apenas contava com seis meses de idade quando isto sucedeu estando o pai longe do lar. Tão tremenda foi esta tormenta de neve que deixou paralisada toda aquela zona devido a muita neve. A reserva de comida com a que contava a família Branham era muito pouca e rapidamente começou a lhe faltar a comida e calor, pois o frio era intenso.

A Mãe, envolvendo seus pés em sacos, saía ao campo a buscar lenha. Logo depois de cortá-la a trazia à Cabana e ali a armazenava, pronta para manter a chaminé acesa. Passaram alguns dias e a situação continuava piorando. Apenas tinha que comer para manter suas forças.

Finalmente ela se debilitou tanto que teve que desistir de sair em busca de lenha. A reserva de alimente havia se esgotado e também a lenha. Nesta situação crítica, a mãe decidiu recolher toda a roupa de cama que tinha disponível e se envolveu com o menino a esperar o Fim.

Foi então quando Deus enviou seu Anjo Protetor e lhe livrou da morte. Um vizinho que morava a certa distância da família se sentiu inquietado por saber da condição da família Branham ao não ver sair fumaça de sua chaminé. A cada momento que olhava para a humilde Cabana se sentia mais preocupado por saber sua condição.

Passados uns dias, a convicção que algo andava mau chegou a ser tão profunda que ele decidiu fazer uma investigação, ainda que isto significava ter que caminhar por cima do gelo, o que era perigoso, pois a Cabana não estava muito perto. Porem de todas as formas, este vizinho dirigido pela mão de Deus chegou até a cabana. Ao chegar à Cabana, seus temores foram confirmados, porque ninguém respondia de dentro da casa nem havia vestígios que indicassem que alguém houvesse saído da Cabana e alem do mais a porta estava fechada por dentro.

O] vizinho decidiu forçar a porta para entrar e quando assim o fez, ficou surpreendido pelo que viu à sua frente: A mãe e o menino completamente cobertos com a roupa de cama, estavam à beira da morte por causa do frio e da falta de alimento. O bondoso vizinho seguidamente juntou a lenha e acendeu um fogo que aqueceu a Cabana. Logo foi a sua casa conseguir algo para que eles comesse.

Seu ato de misericórdia foi feito a tempo."Amados leitores, diz o irmão Branham, creio que aquele haveria sido o nosso fim; se não houvesse sido por nosso carinhoso Salvador, quem a seu devido tempo falou ao coração deste bondoso vizinho. Ele sempre está perto e aparece no tempo oportuno".

Não passou muito tempo e tiveram que mudar de Kentucky para o Estado de Indiana onde o Pai foi trabalhar como um agricultor, perto de Utica. Um ano mais tarde voltaram a mudar um pouco mais para baixo para um vale perto de Jeffersonville, Indiana, uma Cidade de tamanho moderado, a qual veio a ser o Povo onde haveria de criar-se WILLIAM MARRION BRANHAM.